Linux Mandriva voltará a ser comunitário


Depois de muitas voltas e tentativas de recuperação, a Mandriva SA anunciou novos planos para a distro: ela voltará a ser comunitária.

Na pior das hipóteses o sistema continua em desenvolvimento, sendo bem tratado pelos fãs, entusiastas e eventuais patrocinadores. Não foram revelados detalhes da empresa por trás do projeto. Ela se recuperou? Ela terá novos investidores? Ela irá acabar? Não se sabe ainda.

O que temos é que a distro Mandriva será entregue a um novo grupo comunitário, e a empresa Mandriva SA também fará parte deste grupo. As decisões em torno da distro não dependerão dos objetivos estritamente comerciais da empresa, como ocorria até a última versão dela.

Dadas as incertezas passadas, pode-se dizer que esta é uma boa notícia. Pelo lado negativo ficaremos com duas distros a princípio quase iguais: Mageia e Mandriva. Essa divisão de desenvolvedores acaba prejudicando ambos os projetos, já que os esforços poderiam ser melhor aplicados caso estivessem concentrados num só, de tão parecidos que são (lembra bem o caso do OpenOffice e LibreOffice).

A nova entidade em torno da distro Mandriva será formada nos próximos meses. É interessante notar que, mesmo com a falta de notícias do estado da empresa, a comunidade já começou a fazer rascunhos para uma edição deste ano da distro, com um Technology Preview planejado para o final do mês.

A Mandriva, para relembrar, surgiu a partir da aquisição da Conectiva, distribuição Linux brasileira que dominou, durante alguns anos, o mercado nacional de Linux. Contava com uma grande base de usuários. Foi adquirida pela Mandrakesoft, que distribuía o Mandrake Linux, outra distribuição muito popular (diria que foi o Ubuntu da época, pois era muito fácil de instalar e usar).

Fui usuário das duas distribuições, e ambas tinham muitos pontos fortes. A Conectiva cumpriu um importante papel na divulgação inicial do Linux por aqui.

Infelizmente, a Mandrake não soube tirar proveito dessa compra, perdeu-se toda a base construída pela Conectiva e, hoje, vemos a própria Mandriva com muitas dificuldades para se manter, enquanto que outras distribuições da mesma época – Red Hat e SuSE – encontraram seu caminho e se firmaram no mercado.

Mas fica a torcida pela Mandriva – apesar desse nome né? Mandrake era bem mais legal :)

Fonte: Carlos Morimoto (Hardware.com.br), blog da Mandriva e o editor deste site, Wladimir Crippa

 

Wlad (1083 Posts)

Nerd desde sempre. Começou a programar em Basic, em um CP 400 Color II lá por 1985. Fã de Star Wars, Star Trek e outras séries espaciais. Pai de 4 filhos - um era pra se chamar Linus, mas o nome encontrou muita resistência :( Aliás, software livre é outra paixão. Usuário Linux desde 1999. Defensor do livre compartilhamento. É o compartilhamento que tem feito a humanidade avançar. As ideias são uma construção coletiva da humanidade :) Por isso, também constrói o Partido Pirata, sendo membro de sua Coordenação Nacional. Ah, também é editor aqui dessa bagaça, onde, aliás, você também pode colaborar. Só entrar em contato e enviar suas dicas, artigos, notícias etc. Afinal, a Força somos nós!


Leave a Reply